Profª Drª Andréa Patapoff Dal Coleto

Como foi prometido hoje vamos falar sobre como potencializar o desenvolvimento e a aprendizagem significativa de nossas crianças. Para tanto é essencial que as equipes escolares construam uma conexão com a família de cada uma delas. Considere as seguintes sugestões apresentadas a seguir ao planejar o processo de retomada das atividades escolares, seja no formato remoto ou no híbrido:

1. Investigue e discuta os meios de comunicação aos quais as famílias têm acesso (por exemplo, telefone/celular, e-mail, vídeo, etc.).

2. Acolhimento – Um educador precisa se colocar em uma postura de escuta: sensibilidade, empatia, solidariedade e afetividade.

3. Opiniões: ouvir as expectativas e ideias dos pais em relação às atividades escolares, sejam remotas ou híbridas.

4. Pesquise/investigue as condições que a família possa oferecer frente às propostas enviadas remotamente (materiais, ambiente, organização do tempo).

5. Aproveite a oportunidade para informar às famílias sobre os apoios socioemocionais que podem estar disponíveis para elas por meio dos programas sociais que a Prefeitura disponibiliza à população.

6. Compartilhar orientações de saúde e segurança de forma clara e precisa é fundamental para fornecer ambientes seguros, estimulantes e previsíveis para crianças e famílias.

7. Abra canais de comunicação com as famílias (WhatsApp, Google Meet, e-mail, cartas, entre outros).

8. Considere o uso de frases como “Estou curioso sobre”, “Conte-me mais sobre” e “Vejo que você está se sentindo” para aprender mais e refletir sobre os diferentes sentimentos que eles podem ter no retorno das atividades escolares.

9. Reconheça que famílias e crianças podem ter sentimentos diferentes sobre a Educação híbrida ou a volta à escola. Reconhecer e refletir sobre os sentimentos podem ajudar crianças e adultos a se sentirem mais seguros.

10. Incentive as famílias sempre que possível, para que saibam que estão fazendo o melhor dentro de seu alcance. Todo mundo está lidando com muita incerteza, o que pode causar estresse. Palavras de incentivo podem oferecer o apoio muito necessário. Considere planejar reuniões virtuais ou presenciais para famílias, a fim de compartilhar como eles estão emocional e mentalmente.

11. Ao encaminhar propostas de trabalho às crianças, organize orientações muito claras e objetivas; não deixe de destacar os objetivos que a proposta evidencia. Forneça exemplos que ajudarão a apoiar os objetivos que se propõem (virtualmente ou pessoalmente).

Por exemplo: Orientações às Famílias Senhores Pais, Estamos valorizando em nossas ações educativas experiências que incentivam as crianças a formular perguntas de investigação que desejam explorar, de preferência em ambientes naturais. A fim de dar continuidade aos nossos trabalhos a seguir, trazemos algumas orientações para que vocês possam acompanhar o andamento da aprendizagem de nossas crianças, para que mesmo nesste formato que a pandemia nos impôs, consigamos favorecer o desenvolvimento do(a) seu(sua) filho(a).

• Proposta 1: Com uma sacolinha, saia para a rua e colete elementos da natureza (pedrinhas, folhas de árvores caídas, folhas secas, gravetos, flores, etc.) NÃO ESQUEÇA DE COLOCAR MÁSCARA E LAVE MUITO BEM AS MÃOS COM ÁGUA E SABÃO OU ÁLCOOL EM GEL! – Quando chegar em casa, organize as coletas em saquinhos diferentes, cada coisa em um saquinho. LAVE MUITO BEM AS MÃOS COM ÁGUA E SABÃO OU ÁLCOOL EM GEL.

– Registre um desenho das coisas que foram coletadas.

12. Forneça listas com antecedência dos materiais que as crianças usarão, e inclua várias alternativas, pois as famílias terão diferentes acessos aos recursos. Considere o uso de materiais comumente encontrados em uma casa, incluindo materiais reciclados, coleções de botões e tampas de garrafa, recipientes vazios, etc., e forneça suporte para famílias conforme necessário. Se eles não têm acesso a um livro específico, você poderá compartilhar um link para uma leitura on-line em voz alta e/ou encorajar as famílias a contar uma história oralmente.

13. Converse com as famílias sobre a importância da brincadeira como forma de as crianças aprenderem e processarem fatos e sentimentos. Expresse que a hora de brincar deve ser uma experiência divertida para todos, especialmente quando baseada nos interesses das crianças. Estas se envolvem mais nas brincadeiras quando isso é significativo para elas. Brincar com um adulto que também está envolvido é extremamente motivador para os pequenos.

14. Intensifique a comunicação com as famílias para conhecer mais sobre os conhecimentos, habilidades e interesses das crianças. Os professores podem acompanhar a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças por meio de conversas contínuas com famílias no compartilhamento de breves narrativas, entre outras estratégias. Isso pode ajudá-los a compreender quais os próximos estágios de desenvolvimento que ocorrerão. Os professores também podem convidar os membros da família a compartilhar suas próprias observações sobre como seus filhos aprendem, bem como os pensamentos e as percepções sobre as brincadeiras deles em casa.

15. Deixe as famílias e cuidadores saberem que você está lá para ajudá-los com a tecnologia (canais de comunicação), conforme necessário.

16. Ofereça sugestões de experiências facilmente realizáveis em casa, com sugestões para perguntas abertas ou observações simples que as famílias possam usar enquanto as crianças estão brincando. Alguns exemplos incluem:

● Percebo que você ____.

● Como você sabe?

● O que aconteceria se ____?

● O que você acha de ____?

● O que isso lembra você?

● Por que você acha que isso aconteceu?

● O que podemos fazer para resolver esse problema?

● Você está trabalhando muito para ____.

17. Lembre às famílias de que qualquer instrumento de escrita ou tipo de papel pode apoiar o desenho e a escrita da criança.

18. Incentive as famílias a compartilharem fotos e vídeos das crianças brincando, bem como suas produções de arte, construções, etc. As famílias podem compartilhar a documentação das brincadeiras das crianças em casa por meio das ferramentas de comunicação existentes. Os professores podem observar e analisar o trabalho e as brincadeiras delas para compreender seu desenvolvimento no contexto de aprendizagem em casa.

19. Compartilhe fotos e vídeos das crianças com outras famílias (usando sua plataforma de tecnologia preferida, com o devido consentimento dos pais se os nomes ou rostos das crianças estiverem visíveis), para que eles possam se inspirar e as crianças verem as brincadeiras e o trabalho de seus colegas da escola.

20. Os programas/currículo enfrentarão um momento de grande incerteza com a criação de um ambiente escolar diferente. Por isso, é fundamental ser sensível às necessidades das crianças e das famílias para se sentirem integrados ao currículo e, assim, estabelecer as bases para uma transição e para que as experiências sejam mais estáveis. Ajustes nas intencionalidades e na sequência do currículo podem ser necessários para continuar a oferecer a todas as crianças experiências de aprendizagem abrangentes, ricas e exploratórias. A Escola nunca vai deixar de ser o espaço que contribuirá para o pleno desenvolvimento de nossas crianças e enriquecerá suas habilidades e competências. Por fim, a Escola deve se preparar para incluir em seu cotidiano uma maneira diferente de fazer educação sem deixar de proporcionar vivências e experiências significativas aos bebês, crianças bem pequenas e pequenas.

Categories:

Tags:

Comments are closed